Portal Luis Nassif

Pedro B Maciel Neto
  • Masculino
  • Campinas, SP
  • Brasil
Compartilhar no Facebook Compartilhar Twitter

Discussões de Pedro B Maciel Neto

para além da versão...
1 resposta 

Li recentemente uma entrevista interessante[1] na qual Robert J. Shiller, economista, professor de Yale e que afirma que seu objetivo “não é defender os líderes de Wal Street”, mas sim, segundo ele, “sugerir alternativas que…Continuar

Iniciou esta discussão. Última resposta de Anarquista Lúcida 28 Maio, 2012.

O Programa Nacional de Direitos Humanos e a Psywar
16 respostas 

Em certa medida o barulho feito pelo conservadores, com respaldo da grande mídia e silêncio inexplicável das mídias alternativas, em relação ao Programa Nacional de Direitos Humanos aproxima-se de verdadeiro terrorismo psicológico. Por quê? Porque o…Continuar

Iniciou esta discussão. Última resposta de Stella Maris 5 Jul, 2010.

OS RISCOS DA POLITIZAÇÃO DO JUDICÁRIO
2 respostas 

Reconhecendo a necessidade de um provimento desinteressado e imparcial, o Estado, mesmo sendo o titular do direito de dizer o Direito e…Continuar

Iniciou esta discussão. Última resposta de Neide Guerra 30 Jun, 2010.

SOBRE NOVO PAPEL INTERNACIONAL DO BRASIL
5 respostas 

Podemos concordar ou não com a iniciativa do Presidente Lula de, ao lado da Turquia, participar diretamente dos esforços em busca de uma solução…Continuar

Iniciou esta discussão. Última resposta de Raí Araujo 1 Jul, 2010.

Presentes recebidos

Presente

Pedro B Maciel Neto ainda não recebeu nenhum presente

Dar um presente

 

Página de Pedro B Maciel Neto

Últimas atividades

Robson Nunes da Silva comentou a postagem no blog INDIGNAÇÃO SELETIVA E ESPETÁCULOS MIDIÁTICOS de Pedro B Maciel Neto
8 Set
Posts no blog por Pedro B Maciel Neto
7 Set
Posts no blog por Pedro B Maciel Neto
20 Maio, 2013
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
14 Set, 2012
Posts no blog por Pedro B Maciel Neto
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto postou um status
"Gurgel, apresentou denuncia contra Zé Dirceu, sem haver provas (…"
14 Set, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
2 Ago, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
2 Ago, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
2 Ago, 2012
Posts no blog por Pedro B Maciel Neto
2 Ago, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
31 Maio, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Facebook
31 Maio, 2012
Posts no blog por Pedro B Maciel Neto
31 Maio, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
28 Maio, 2012
Pedro B Maciel Neto compartilhou o post do blog deles em Twitter
28 Maio, 2012

Informações do Perfil

Profissão
advogado e professor

O STF e Procurador

O Procurador-Geral, o Senhor Gurgel, apresentou denuncia criminal em face do ex-ministro Zé Dirceu, processo 470 que tramita no STF, sem haver nenhuma prova e o fez contrariando entendimento jurisprudencial pacífico do STF. Mas o Processo 470 processo tem relevância enorme, e apesar de a denúncia do PGR não conter provas muitos apostam na condenação de Zé Dirceu.
Por quê? Porque há uma mudança de orientação jurisprudencial. Noutras palavras o STF está alterando seu entendimento, sua convicção (ou para atender ao clamor midiático?), em pelo menos duas avaliações jurídicas anteriores para justificar (ou obter?) a condenação de alguns dos réus do chamado “mensalão”.
Uma delas é o novo entendimento da Corte sobre não ser necessário o ato de ofício para que se configure o crime de corrupção passiva. Foi justamente a exigência de ato de ofício que possibilitou a absolvição do ex-presidente Fernando Collor em 1994, por falta de provas. À época, o então ministro Sepúlveda Pertence sofreu uma derrota acachapante em plenário ao defender justamente a irrelevância da comprovação do tal ato de ofício, a contrapartida, para o crime de corrupção passiva. Agora, pressionados pela mídia, a maioria dos ministros decidiram o contrário e consagraram o ponto de vista derrotado em 1994 e interpretaram que basta o recebimento de favor, sem necessidade de ato de ofício, para que alguém seja condenado por esse crime. A modificação foi o que tornou possível a condenação do deputado federal João Paulo Cunha, do PT de São Paulo, ex-presidente da Câmara dos Deputados, por corrupção passiva (defendeu o entendimento até então majoritário o relator Ricardo Lewandowski e afirmou que o Ministério Público não apresentou provas do ato de ofício na acusação, o que é verdade).
Outra mudança de visão fundamental na condenação de Cunha deu-se em relação à lavagem de dinheiro. Quando a denúncia foi recebida pelo tribunal em 2007, tanto o atual presidente do STF, Carlos Ayres Britto, quanto Gilmar Mendes haviam demonstrado dúvidas sobre se o crime existira ou não. Mendes chegara a classificar a hipótese de “fantasmagórica” por não enxergar uma tentativa de ocultar o dinheiro no fato do então presidente da Câmara dos Deputados ter enviado a mulher ao Banco Rural para sacar os 50 mil reais que recebera do publicitário Marcos Valério.
Serão essas mudanças resultado da pressão dos grandes veículos de comunicação sobre eles? Teria o STF, pressionado pelas espetaculares manchetes dos grandes veículos de comunicação, alterado o entendimento jurisprudencial pacifico para condenar o chamado “núcleo político” do processo 470, especialmente o ex-ministro José Dirceu? Não sei. O que sei é que nenhuma prova foi produzida contra o ex-ministro, isso mesmo, nenhuma testemunha ouvida durante as investigações declarou objetivamente que ele é autor dos atos criminosos que o procurador a ele imputa, não há sequer um documento indique que Zé Dirceu seja de fato membro ou chefe de quadrilha ou que tenha orientado ou praticado qualquer ato de corrupção, ou seja, o procurador busca a condenação do ex-ministro mesmo sem provas. Como ele faz isso? O faz reconstruindo, a partir de versões, depoimentos do tipo “fulano me disse” e impressões de forte caráter ideológico (a serviço de quem apenas ele e sua consciência sabem).
Essa mudança de entendimento do STF merece reflexão de gente séria.
E há ainda o tal Gurgel, figura caricata que lembra Jô Soarez. Gurgel é um obstinado.
Sobre a obstinação de Gurgel em condenar o Ministro José Dirceu (o mesmo Gurgel que não viu “grandes problemas” nas ações de Carlinhos Cachoeira) podemos fazer um paralelo com um filme “Rashomon” de Akira Kurosawa. Assisti outro dia esse filme e penso ser possível o paralelo entre a alegoria de Kurosawa e a atuação do nosso por enquanto Procurador-Geral.
Rashomon é um filme japonês de 1950 escrito e dirigido por Akira Kurosawa, vencedor do Oscar e do Leão de Ouro. O filme sugere a impossibilidade de se obter a verdade sobre um evento quando há conflitos de pontos de vista distintos e até mesmo ideológicos; há a descrição de eventos (suposto estupro  e assassinato) através dos relatos amplamente divergentes de quatro testemunhas, incluindo o próprio criminoso e, através de um médium, e da própria vítima.
A história se desvela em flashbacks conforme os quatro personagens — o próprio bandido, o samurai assassinado, sua esposa e o lenhador sem nome — recontam os eventos de uma tarde em um bosque. Mas é também um flashback dentro de um flashback, porque os relatos das testemunhas são recontados por um lenhador e um sacerdote para um grosseiro plebeu enquanto eles esperam por uma tempestade em uma portaria arruinada. Cada história é mutuamente contraditória, deixando o espectador incapaz de determinar a verdade sobre os eventos.
No filme não há uma solução para o suposto crime, até porque o objetivo de Kurosawa deve ter sido a reflexão sobre a possibilidade/impossibilidade de se apurar a verdade a partir de relatos contraditórios.
A partir do filme a palavra "Rashomon" passou a ser referência para qualquer situação na qual a veracidade de um evento é difícil de ser verificada devido a julgamentos conflitantes de diferentes testemunhas. Na psicologia, o filme emprestou seu nome ao chamado "Efeito Rashomon", que estaria relacionado ao caráter reconstrutivo da memória, o termo é freqüentemente usado por psicólogos em situações em que os observadores dão contas diferentes do mesmo evento, e descreve o efeito das percepções subjetivas sobre recolhimento. A idéia de que “não me lembro de coisas como elas realmente acontecem” é geralmente atribuída a Sir Frederick Bartlett (1886-1969). De acordo com Bartlett, as memórias são organizados dentro dos quadros históricos e culturais (que Bartlett chamado 'esquemas') do indivíduo, e o processo de recordar envolve a recuperação de informação que tenha sido inadvertidamente alterados, a fim de que ele seja compatível com pré-existente conhecimento.
O Nosso procurador talvez precisa ser internado ou agraciado com um Nobel, pois ele foi além do “efeito Rashomon”, ele não reconstruiu memórias e testemunhos ele os criou, afinal ausentes os fatos e ações que pudessem levar à condenação de Zé Dirceu o Procurador.

Tendo em conta essa mudança oportuna (?) de posicionamento do STF e do obstinado Gurgel podemos citar Heráclito que afirmou “Ser Homem é interpretar”, sim, é justo interpretar e alterar entendimentos, mas Heráclito não disse para criarmos realidades, fatos e atos, não disse para mentirmos, nem para sermos injustos.

Fotos de Pedro B Maciel Neto

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Blog de Pedro B Maciel Neto

INDIGNAÇÃO SELETIVA E ESPETÁCULOS MIDIÁTICOS

Recebo todas as denúncias, acusações e suspeitas de corrupção que envolvem o Partido dos Trabalhadores com muita tristeza, pois fui militante do PT de 1980 a 1991, retornei ao PT em 2002 e fiquei por lá até 2005. O PT seria o partido a realizar os sonhos generosos da minha adolescência e juventude, sonhos de justiça social, distribuição de renda, produção e distribuição de riqueza com…

Continuar

Postado em 7 setembro 2014 às 17:30 — 1 Comentário

ÓDIO DE CLASSE?

"Quando, enfim, os bacharéis mais reacionários ocuparam o poder com os militares, coube-lhes encontrar as fórmulas jurídicas para defender o estupro do Estado de Direito" (Mauro Santayana)
A página 2 do CORREIO (Correio Popular é um jornal da cidade de Campinas) trouxe uma matéria assinada pelo Deputado Carlos Sampaio (PSDB) na qual ele faz criticas ácidas ao ex-presidente Lula.
É muito triste ver um Deputado Federal da minha cidade, um pontepretano, por…
Continuar

Postado em 20 maio 2013 às 8:53

JUCA BARBOSA, O BRINCALHÃO!

O Presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, deve ser um brincalhão.
Quando ele rejeitou os embargos infringentes apresentado por um dos réus do chamado mensalão, afirmando que tal recurso não é previsto no ordenamento jurídico brasileiro ele deveria estar brincando.…
Continuar

Postado em 15 maio 2013 às 18:30

ONDE ESTÁ A DIRETA NO BRASIL?

Nos final dos anos 80 e durante os anos 90 alguns amigos e eu usávamos um argumento provocativo e retórico nas discussões mais acaloradas. Dizíamos: “Campinas não precisa de PDS porque o PSDB representa muito bem a Direita na cidade” (para quem não se lembra “PDS” foi a sigla que a ARENA, partido que apoiava a ditadura, passou a usar a partir das eleições de 1982). É inegável que muita gente boa, socialdemocratas de verdade abraçaram o projeto do PSDB em 1988, mas o partido inegavelmente…

Continuar

Postado em 14 setembro 2012 às 22:00

Caixa de Recados (1 comentário)

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Às 11:00 em 24 abril 2011, RICARDO EVANGELISTA disse...
POESIA, ANTES DE DEPOIS DE PAZ E ARROZ. Ricardo Evangelista.Viva a páscoa poética!!!! MEU BLOG: http://sarautropeiro.blogspot.com
 
 
 

Dinheiro Vivo

Publicidade

© 2014   Criado por Luis Nassif.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço