Portal Luis Nassif

Paralisia em saneamento agrava quadro do Nordeste

Três anos depois do marco regulatório do setor, plano da União ainda está sendo elaborado. Uma das principais preocupações em Alagoas e Pernambuco após as enchentes da semana passada é a rápida proliferação de doenças. Casos de diarreia, leptospirose, dengue e outras enfermidades começam a surgir nas regiões afetadas e a preocupar as autoridades locais.

Muitas destas consequências poderiam ser evitadas caso a infraestrutura de saneamento fosse adequada, já que o esgoto aberto sobe junto com as águas. Mas, regulamentado apenas em 2007, o setor de saneamento arrasta lacunas que mantêm a paralisia em obras consideradas essenciais para a promoção de um serviço que - como o próprio nome diz - é básico, mas ainda não chega a boa parte da população.

Passados três anos da promulgação da Lei do Saneamento (11.455), nem mesmo o governo federal já tem pronto o plano de metas que passou a ser exigido. Trata-se de um planejamento com as metas e investimentos a serem seguidos em um horizonte de 20 anos, que, de acordo coma lei, todos os municípios, e também a União, passaram a ser obrigados a ter. Entre as cidades, pouco mais de 10% das prefeituras conseguiram elaborar o plano até agora, escancarando a carência de gestão que marca o setor. Porém, a própria União está devendo o seu.

Segundo o Ministério das Cidades, o texto para o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) já está pronto, e deve ser apresentado em até 30 dias para que seja aberta à discussão e possa começar a tramitar no Congresso, de quem depende sua aprovação. `A meta é fechar 2010 com o plano concluído, para que seja aprovado em 2011`, diz o secretário de Saneamento do ministério, Leodegar Tiscoski.

Uma das principais metas do Plansab, adianta Tiscoski, é o da universalização dos serviços em 2025. Isso significa levar água tratada e recolher o esgoto de todos os domicílios do país. No entanto, há ainda 20% dos brasileiros sem acesso adequado a água, e 57% da população não é atendida por coleta de esgoto.

Necessidades subestimadas Segundo o secretário, para que todas as regiões carentes recebam os serviços necessários até 2025, precisam ser aplicados entre R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões ao ano. As previsões de empresas e especialistas, porém, apontam para volumes e prazos maiores. Segundo a Associação Brasileira da Infraestrutura e das Indústrias de Base (Abdib), se a partir de hoje, fossem investidos R$ 13,5 bilhões ao ano - pelo menos R$ 1,5 bilhão mais que a projeção do Plansab -, somente em 2030 os serviços estariam universalizados.

`Temos metade da população sem acesso a tratamento de esgoto, são 90 milhões de pessoas. Há 8 milhões que não têm acesso sequer a banheiro`, apontou o presidente da Sabesp, Gesner Oliveira, em evento na semana passada. `É preciso um esforço muito grande das empresas estaduais, municipais e privadas. A demanda é tão grande que há espaço para todos`, conclui.

Fonte: Brasil Econômico

Exibições: 2

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Novas

Receba notícias por e-mail:

Dinheiro Vivo

Publicidade

© 2014   Criado por Luis Nassif.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço