Portal Luis Nassif

violência no rio a crise social brasileira = o descompasso do estado brasileiro

A sedução da juventude pelo banditismo vai continuar. Esta operação de encarcerar a bandidagem não vai funcionar até que o poder público abra espaço para a sociedade organizadas atuem na fonte dessa verdadeira doença social. Em quase todo mundo há uso de drogas mas parece que o estado brasileiro não consegue controlar as máfias locais. Falta cultura outra que esse fundamentalismo moralista imprimindo na opinião pública a idéia do hábito de usar drogas contribui com a violência. Ainda que seja pertinente, é o regime sob o qual vivemos que instala campo para o avanço da criminalidade. A constituição não prevê nem acolhe os hábitos das ruas ou das casa do brasileiro. Há um descompasso entre a legislação em vigor e a estrutura social. Esse é o debate que esta faltando para vencer essa guerra.
Essa operação visa resolver o problema no Rio mas não no Brasil.

Exibições: 24

Tags: cultura, educação, mídia, poder, público, violencia

Comentário de Paulo Izidoro em 27 novembro 2010 às 20:47
Nessas horas sempre se vai contestar os chamados direitos humanos, não é apropriado discuti-lo sobre um forte apelo emocional, é preciso ve-lo de forma diferente, com mais amplitude.

Temos ali vários traficantes assassinos ,que matam e torturam uma pessoa como se fosse um inseto, aliás existe muita gente que se esconde sob o manto respeitavel até "legal", que fez e faz a mesma coisa, só que tem respaldo pela posição que ocupa na sociedade, porem é igual e até pior que o mais desprezível dos traficantes.

Vejamos que muitos se permitem a aceitar que homens de posição de policial ou militar torturem e matem uma pessoa porque a julgam um criminoso assassino, mas quem tem estômago para fazer isso com alguem seja quem for , tambem é assassino e torturador, pois aprecia fazer isso, se justifica na índole do torturado, mas exercita o seu sadismo doente tanto como o outro lado, a policia ou os militares tem que ser legais, oficiais, verdadeiros representantes da sociedade e do Estado, não podem se igualar aos criminosos pois assim serão exatamente iguais a eles, e todos nós e nossas famílias correremos riscos continuadamente representados por esse tipo de pessoas.

Nos perguntamos de onde vem esses traficantes? Já nasceram assim? Não , tem dentro deles toda a raiva e ódio humanos, instinto aniumal exacerbado, revelados por um histórico de vida péssimo, crescendo dentro de um meio totalmente hostil e miserável, de drogas, familias desagregadas, prostituição, falta de educação ,saude ,saneamento, alimentação, tudo, ninguem dá a mínima pára eles , pelo contrário ,os chuta como cães fedorentos, cheios de preconceitos, não sabem o que é amor, carinho, sentimentos de bondade e caridade e muito menos solidariedade, totalmente esquecidos, daí matar "pessoas" que eles julgam culpados por toda aquela situação de vida é fácil da mesma forma que o torturador executa suas vítimas se justificando na índole delas, então na visão deles , a sociedade tambem é um grande mal e todas as pessoas tambem não prestam e se vai por aí.
Comentário de Paulo Izidoro em 27 novembro 2010 às 20:51
Então de nossa poltrona é fácil medir o grau de violência que devemos despejar sobre estes marginais, ainda maior do que eles despejam sobre nós, e afinal eles são espelhos de anos de desgovernos e cumplicidade entre a sociedade civil esclarecida brasileira e suas instituições e o Estado omisso, onde cada um de nós temos uma parcela de culpa por muito dessa criação, do pouco caso que fizemos ,ainda que observando diariamente nos ultimos 40 anos o grande crescimento desse meio de exclusão e desagregação.
Cruzamos os braços deixando o Estado omisso, sem tomar nenhum partido ou mesmo nenhuma cobrança , absolutamente nada para melhorar, excetuando uma ou outra ação isolada de grupos beneficentes e de caridade, muito pouco para se controlar uma legião de excluidos e famintos, num meio violento e hostil sem nada , só miséria e violência, estupros, mortes, drogas, crimes, e a eterna lei do mais forte , onde o Estado sempre se omitiu de tomar providências.
Aquelas pessoas já foram, crianças puras chorando para mamar, pedindo colo e carinho, pedindo ajuda, com medo do escuro e de fantasmas ,mas foram paulatinamente tratadas as pauladas e violência por esses próprios fantasmas só que reais inclusive dentro de suas próprias famílias, não poderiam se tornar diferentes de monstros, salvo poucas exceções, que deveriam ser eternizadas em Estátuas ao lado do Cristo Redentor, pois foram crucificadas diariamente e não se perderam em seus ódios e violências que continuaram adormecidos em seu corpo, porem não somos todos iguais, nem se nasce um Cristo a cada hora, ele é único e deveria sempre servir como exemplo para todos nós, ateus ou crentes. O direito humano passa pela necessidade que temos de tornar acessível a todos esses mesmos direitos , agora prioritariamente a quem está nascendo, a quem ainda é bastante jovem, temos obrigação para cobrar do Estado essa inclusão e não o abandono dessas crianças no meio das ruas e das favelas, é hora de agir , aliás passou da hora, mas ainda há tempó para um futuro melhor. mãos a obra!
Comentário de José Safrany Filho em 27 novembro 2010 às 21:48
Essa, a droga, é apenas uma das mazelas de nossa sociedade da "economia de mercado" e, por isso mesmo, a droga é, apenas, mais uma mercadoria, uma das que dá mais lucro ao capitalista, este sim o maior culpado, que nunca aparece pois vive em Miami, Noviorque, Las Vegas, paraísos fiscais (para melhor lavar os bilhões), Côte D´Azur, ilhas gregas, etc. Quem paga, como em todo negócio deles, são as mulas, os seus prepostos... O próprio império maior, ótimo em estatísticas, sabe e confessa que há circulando em seus templos divinos, ou seja, seus bancos, entre us$500 bilhões e 1 trilhão referente a esse "negócio" (just business!). Não combatem, para valer, a ponta do consumo e usam o pretexto das fontes, a que financiam e fornecem os equipamentos e insumos para os devidos refinos, etc., para se intrometer na vida política e econômica delas. Então, é mais que evidente que NÃO HAVERÁ SOLUÇÃO DO PROBLEMA DAS DROGAS dentro o sistema capitalista. Ela serve a outro fim ainda maior: ALIENAÇÃO! Há outras formas de alienação, a mídia, as seitas, o álcool, a manipulação dos esportes, o terror fabricado, etc. Destarte, só quando o ser humano tomar consciência de que é preciso pôr um FIM no capitalismo é que poderemos, se houver tempo, ainda, construir a verdadeira CIVILIZAÇÃO!

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Luis Nassif para adicionar comentários!

Entrar em Portal Luis Nassif

Novas

Receba notícias por e-mail:

Dinheiro Vivo

Publicidade

© 2014   Criado por Luis Nassif.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço